Infecção causada por bactérias que afeta os tecidos que protegem os dentes; caracteriza-se pela formação de um espaço indesejável entre a gengiva e o dente, chamado de bolsa periodontal, a qual favorece o acúmulo de resíduos alimentares e bactérias causadoras das placas bacterianas e dos tártaros.

São três os estágios da doença periodontal:

Gengivite: este é o primeiro estágio da inflamação gengival causada pela placa bacteriana que se forma na margem da gengiva. Se a escovação e o uso do fio dental diariamente não forem suficientes para remover a placa, ela produzirá toxinas que podem irritar o tecido gengival, causando a gengivite. Você pode notar algum sangramento durante a escovação e o uso do fio dental. Neste primeiro estágio da doença, o dano pode ser revertido, já que o osso e o tecido conjuntivo que seguram os dentes no lugar não foram atingidos.

Periodontite: neste estágio, o osso e as fibras de sustentação que mantêm os dentes em posição são danificados. Ao redor da sua gengiva pode começar a se formar uma bolsa que avança para baixo da gengiva e onde ficam armazenados os detritos e a placa bacteriana. O tratamento dentário adequado e a higiene bucal minuciosa em casa, em geral, podem ajudar a prevenir danos maiores.

Periodontite avançada: neste estágio final da doença, as fibras e os ossos de sustentação dos dentes estão destruídos, o que faz com que os dentes migrem ou mudem de lugar ou se tornem abalados ou com mobilidade. Isto pode afetar sua mordida e, se o tratamento não for eficaz, você corre o risco de perder seus dentes.

A Doença Periodontal é a principal causadora da perda de dentes em adultos. A sua prevenção pode ser feita unicamente removendo a placa bacteriana através de limpeza bucal doméstica com fio dental e escova, mais limpezas periódicas feitas pelo dentista. O sinal mais característico da Doença Periodontal é o sangramento, mas devemos estar atentos também para: alterações na posição dos dentes, mobilidade, retrações gengivais, retenções de alimento, inchaço etc.

O tratamento é feito com a remoção do tártaro dental. E é realizado através de raspagem e alisamento das raízes dos dentes. Quando os instrumentos de raspagem não atingem toda área da raiz comprometida, as cirurgias são indicadas; para facilitar o acesso.

A Doença Periodontal pode deixar como sequela alterações estética como: deslocamento na posição do dente, retração gengival com consequente aumento no comprimento do dente, que através de procedimentos cirúrgicos e protéticos podem minimizar esses defeitos. Além disso, retornos periódicos ao profissional também são fundamentais, pois cada paciente tem uma necessidade específica, de acordo com o seu quadro clínico. Um paciente sem alterações periodontais, no geral, deve fazer retornos semestrais para avaliação, exame e nova profilaxia. Já um paciente com doença periodontal de grau severo, por exemplo, normalmente necessita de retornos entre 3 e 4 meses, no máximo, pois a dificuldade de controle e grau de sequelas causadas pela doença periodontal induzem a um cuidado maior.